qui. out 28th, 2021

EXCLUSIVO – NEIDE DO PALMEIRAS, a mulher que há 41 anos insiste, sem apoio, trabalhar o futebol masculino em Lucena

O Palmeiras está em seu coração. O apoio, que é bom, está muito distante de chegar! “O importante é que ela continua fazendo o mesmo trabalho há exatos 41 anos. Mérito de poucos, mas, desistir jamais. Assim tem sido a história dessa lucenense de 63 anos de idade, Luzineide Martins do Nascimento, popularmente conhecida como “Neide Praça” ou “Neide do Palmeiras”.

Única mulher na cidade de Lucena a trabalhar com futebol masculino, a gari da Prefeitura Municipal de Lucena reside no distrito de Fagundes, numa casa humilde da Rua Carolina Galvão. “As verdadeiras pessoas são aquelas mais humildes possíveis, onde sentimos seriedade, transparência, compromisso e capaz de ajudar ao próximo”, diz ela.

Na tarde da ultima quinta-feira, dia 30, “Neide do Palmeiras” recebeu na sua casa a equipe do BLOG DO MARCOS LIMA. A conversa foi longa, onde, de forma verdadeira, essa mulher que há 41 anos dedica seu tempo aos treinamentos e competições do futebol masculino, narrou com detalhes a paixão que tem pelo futebol. A alegria de trabalhar com os garotos. O amor como guarda medalhas e troféus conquistados.

Neide já concedeu entrevista para o Globo Esporte Paraíba e, agora, toda essa sua história contada em audios e vídeos ao BLOG DO MARCOS LIMA, será encaminhada ao Departamento de Marketing da Sociedade Esportiva Palmeiras, de São Paulo, time que fará a final da Copa Libertadores das América diante do Flamengo.

EIS A ENTREVISTA:

Quantos anos tem esse time Dona Neide?

– Tem uma faixa de uns 40 anos. Eu fundei em 80 com os boizinhos pequenininhos…muitos times aqui afundou em Lucena e eu aqui teimando.

A senhora tem quantos garotos aqui? é uma Escolinha, né?

– É. Tem uma faixa de uns 60 meninos

É masculino ou feminino também?

– Não. No momento é só masculino.

A senhora é a única mulher no município de Lucena, envolvida no esporte, que trabalha com homem…

– Eu sempre trabalhei com os meninos, mas, eu jogava no time das meninas aqui de Lucena. Joguei com Anjinha de Iracema, no time do Juventude.

Como foi que a senhora chegou ao Palmeiras de Lucena. É o amor que a senhora tinha pelo Palmeiras de São Paulo, era? Conte um pouco dessa história!

– Sempre tive o amor pelo Palmeiras, mas, antes de fundar o Palmeiras, eu tinha o amor também pelo Corinthians. Coloquei o nome Corinthians, mas o Corinthians deu uma descida, aí apareceu o Atlético, time que estava no auge. Foi quando troquei o nome Corinthians por Atlético e, mais na frente, o Atlético deu uma caída, foi quando veio o Palmeiras, com todo pique, com garra, foi quando disse que a partir dalí meu time iria ficar com esse nome, Palmeiras.

Vai ter uma final da Libertadores entre Flamengo e Palmeiras. A senhora vai torcer pelo Palmeiras?

– Sou Palmeiras. Até no meu aniversário, coloquei minha festa do Palmeiras. Tudo de verde e branco.

Quem lhe ajuda Dona Neide para a senhora manter a tradição desse time ao longo dos 41 anos de existência?

– Primeiramente Jesus. E segundo, a neguinha mesmo. Gasto meu salário, trabalho com veranistas, eles me ajudando com alguma coisa…uns me dão 10, outros me dão 20 e assim vai.

A senhora é gari da prefeitura e o salário que a senhora ganha não dá pra sustentar o time, né? 

– Não dá de jeito nenhum, porque, tem a alimentação da gente, o gasto diário de casa, e manter o time. A minha sorte é que tenho muita amizade com Graça, de Lindemberg do seu Francisco, aí minha estilista e aí conheci seu Biu também que me dá uma força e faz minhas roupas também.

Dona Neide, esses troféus que a senhora está rodeada deles, nenhum desses foi comprado?

– Esses aqui nós ganhamos, não tem nenhum comprado não. Aqui está todo o meus esforço, conquistado em campo com muita luta. Os mais velhinhos foram os primeiros e tem muito mais troféus na casa do meu tio Loia. Ele faleceu, mas a viúva continua com meus troféus.

A senhora tem muitos jogadores no time. Tem uniforme para todos eles?

– Não. Já chegamos a tomar roupa emprestado. Inclusive, já houve competição que vestimos a roupa do Vasco. O Palmeiras vestiu a roupa do Vasco. Tenho fotos para provar.

Faça um apelo aí Dona Neide para as autoridades ajudar a equipe do Palmeiras!

Falar em ajudar, contar também que estou com um jogador meu que já vai fazer 15 dias que fomos treinar em Costinha e ele ao correr atrás da bola, caiu de mau jeito e prejudicou a clavícula. Está em recuperação de dois meses. Se o osso colar, não precisa cirurgia, mas, se não, terá que fazer. A gente tá correndo em cima e ajudando a ele um pouquinho…eu peço muito pouco.

Por Marcos Lima

Obs.: Autorizada reprodução, no entanto que informem a fonte da reprodução, com base na Lei de Direitos Autorais.

Share this:

(Visited 95 times, 1 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *