qui. out 28th, 2021

SES constata aumento de 1.600 casos de chikungunya na Paraíba

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou, nesta segunda-feira (4), o Boletim das Arboviroses nº 09. O relatório apresenta um aumento de 1.600 casos prováveis de chikungunya comparado ao anterior. Até o dia 25 de setembro – 38ª Semana Epidemiológica (SE), foram registrados na Paraíba 11.709 casos prováveis de dengue, 7.937 de chikungunya e 1.236 de zika.

De acordo com a técnica da SES da Área de Arboviroses, Carla Jaciara, o boletim de n° 09 apresenta a mesma crescente de casos prováveis para os três agravos. Ela afirma que a maior porcentagem ainda é para dengue, com 56%, seguido da chikungunya com 38% e da zika com 6%.

Fazendo uma comparação com o boletim nº 08, Carla Jaciara destaca que, além do aumento significativo da chikungunya, foi possível observar o mesmo crescimento para dengue, com 1500 novos casos prováveis. Ela alerta que muitos casos suspeitos de dengue podem estar camuflados com a semelhança clínica da Covid-19.

“A consequência disso é a não notificação no sistema de informação Sinan On-line de forma oportuna. Reforçamos que, nos casos em que as arboviroses, mais especificamente a dengue, forem suspeitos, exames complementares básicos e específicos para diagnóstico diferencial devem ser considerados. O serviço de saúde que identificar casos em que a clínica do paciente se enquadre para Covid-19 e Arboviroses, devem seguir a investigação para ambos”, pontua.

Com relação ao mesmo período de 2020, houve um aumento de variação para os casos prováveis de dengue de 103%. Já para os casos prováveis de chikungunya, um importante acréscimo de 384% e para os casos prováveis de zika, houve um aumento significativo de 320%.

Sobre os óbitos por arbovisores, até 25 de setembro, houve 10 registros suspeitos, distribuídos nos municípios de Alcantil (01), Conde (01), João Pessoa (06), Sapé (01), e Patos (01). Desse total, cinco foram descartados e três confirmados para dengue nos municípios de João Pessoa e Patos. Dois casos continuam em investigação.

Até o fechamento do informe, 181 municípios enviaram o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa). De acordo com os resultados, 21 (11,60%) apresentaram índices que demonstram situação de risco para ocorrência de surto, 123 (67,95%) estão em situação de alerta e 37 (20,44%) municípios estão em situação satisfatória.

A SES orienta a população a continuar procurando os serviços de saúde ao apresentar qualquer sinal ou sintoma suspeito de arbovirose. A secretaria reforça aos profissionais de saúde a notificação em tempo oportuno no sistema Sinan Net. As Atividades de Controle das Arboviroses seguem ativas e as Secretarias Municipais de Saúde continuam sendo orientadas a intensificar as ações de modo integrado, sensibilizando a população quanto ao autocuidado para eliminação de criadouros do mosquito Aedes aegypti.

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou, nesta segunda-feira (4), o Boletim das Arboviroses nº 09. O relatório apresenta um aumento de 1.600 casos prováveis de chikungunya comparado ao anterior. Até o dia 25 de setembro – 38ª Semana Epidemiológica (SE), foram registrados na Paraíba 11.709 casos prováveis de dengue, 7.937 de chikungunya e 1.236 de zika.

De acordo com a técnica da SES da Área de Arboviroses, Carla Jaciara, o boletim de n° 09 apresenta a mesma crescente de casos prováveis para os três agravos. Ela afirma que a maior porcentagem ainda é para dengue, com 56%, seguido da chikungunya com 38% e da zika com 6%.

Fazendo uma comparação com o boletim nº 08, Carla Jaciara destaca que, além do aumento significativo da chikungunya, foi possível observar o mesmo crescimento para dengue, com 1500 novos casos prováveis. Ela alerta que muitos casos suspeitos de dengue podem estar camuflados com a semelhança clínica da Covid-19.

“A consequência disso é a não notificação no sistema de informação Sinan On-line de forma oportuna. Reforçamos que, nos casos em que as arboviroses, mais especificamente a dengue, forem suspeitos, exames complementares básicos e específicos para diagnóstico diferencial devem ser considerados. O serviço de saúde que identificar casos em que a clínica do paciente se enquadre para Covid-19 e Arboviroses, devem seguir a investigação para ambos”, pontua.

Com relação ao mesmo período de 2020, houve um aumento de variação para os casos prováveis de dengue de 103%. Já para os casos prováveis de chikungunya, um importante acréscimo de 384% e para os casos prováveis de zika, houve um aumento significativo de 320%.

Sobre os óbitos por arbovisores, até 25 de setembro, houve 10 registros suspeitos, distribuídos nos municípios de Alcantil (01), Conde (01), João Pessoa (06), Sapé (01), e Patos (01). Desse total, cinco foram descartados e três confirmados para dengue nos municípios de João Pessoa e Patos. Dois casos continuam em investigação.

Até o fechamento do informe, 181 municípios enviaram o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa). De acordo com os resultados, 21 (11,60%) apresentaram índices que demonstram situação de risco para ocorrência de surto, 123 (67,95%) estão em situação de alerta e 37 (20,44%) municípios estão em situação satisfatória.

A SES orienta a população a continuar procurando os serviços de saúde ao apresentar qualquer sinal ou sintoma suspeito de arbovirose. A secretaria reforça aos profissionais de saúde a notificação em tempo oportuno no sistema Sinan Net. As Atividades de Controle das Arboviroses seguem ativas e as Secretarias Municipais de Saúde continuam sendo orientadas a intensificar as ações de modo integrado, sensibilizando a população quanto ao autocuidado para eliminação de criadouros do mosquito Aedes aegypti.

Fonte: Secom PB

Share this:

(Visited 191 times, 1 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *