ter. jun 28th, 2022

Apenas ministro paraibano Vital do Rêgo vota contra privatização da Eletrobras e TCU forma maioria para aprovar desestatização

Governo aguarda aprovação do tribunal para fazer a privatização da companhia ainda este ano. Se placar for confirmado, será a primeira grande estatal a ser vendida pelo governo Bolsonaro.

 

Com apenas um voto contrário do ministro paraibano Vital do Rêgo, o plenário do Tribunal de Contas da União (TCU) formou maioria nesta quarta-feira (18) para aprovar a privatização da Eletrobras, empresa responsável pela geração e transmissão de energia, até o final dessa matéria, o placar era de 7 votos a 1 pela aprovação do modelo de venda defendido pelo governo.

Com a eventual aprovação no TCU, ainda faltará o cumprimento de alguns trâmites burocráticos na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e na Securities and Exchange Commission (SEC) para que a oferta de ações da Eletrobras seja lançada no mercado.

A ideia inicial do governo era fazer a oferta de ações até 13 de maio, mas pedido de vista (mais tempo para análise) do ministro Vital do Rêgo adiou os planos. Oficialmente, o governo ainda não informou a data de privatização, mas a expectativa é que a operação aconteça entre junho e até, no máximo, meados de agosto.

Antes do julgamento do mérito, Vital do Rêgo pediu que o tribunal suspendesse o processo até a área técnica do tribunal concluir a fiscalização sobre dívidas judiciais da companhia, que poderiam causar uma subavaliação da estatal. Os ministros negaram o pedido de suspensão por 7 a 1.

A primeira etapa já tinha sido aprovada em fevereiro. Na ocasião, os ministros analisaram e aprovaram o chamado “bônus de outorga” que, após a privatização, a Eletrobras deverá pagar à União pela renovação dos contratos das 22 usinas hidrelétricas da empresa.

O governo optou por realizar a privatização na forma de uma capitalização, ou seja, serão ofertadas novas ações da Eletrobras na bolsa de valores, em uma oferta que não será acompanhada pela União. Com isso, a União deixará de ser a acionista controladora da empresa.

Quando o processo for concluído, a estatal se tornará uma empresa sem controlador definido. Modelo semelhante foi adotado na privatização da Embraer. Nenhum acionista terá poder de voto superior a 10% de suas ações. O objetivo é justamente pulverizar o capital da empresa, de modo a não ter nenhum grupo dominante sobre as suas decisões.

(Visited 6 times, 2 visits today)