4 de dezembro de 2022

Qualificação do setor de tecnologia é tema na tribuna da CMJP

O vereador Thiago Lucena (PRTB) usou a tribuna da Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) para cobrar investimentos do poder público na qualificação da mão de obra no setor de tecnologia da Capital paraibana. Na manhã desta quinta-feira (18), o parlamentar sugeriu que seja utilizado parte do aumento na arrecadação das empresas de tecnologia para formação de jovens aprendizes.

De acordo com Thiago Lucena, com a promoção de incentivo fiscal e a implantação do Polo de Tecnologia Extremo Oriental das Américas (Extremotec), voltado para área de Tecnologia da Informação (TI) e Economia Criativa (EC), em 2016, a arrecadação das empresas de tecnologia da cidade passou de R$ 2,1 milhões para R$ 8,1 milhões. Ele sugeriu que esse aumento seja parcialmente empregado na formação e qualificação de mão de obra voltada para o setor.

“Com muita persistência ou insistência conseguimos implantar o Extremotec em nossa cidade. Com isso, nossa arrecadação na área de tecnologia cresceu cerca de R$ 6 milhões. Com isso também surgiu o desafio de qualificar a mão de obra desta área. Incentivo não pode vir desacompanhado de políticas públicas. Precisamos qualificar os jovens de nossa cidade para participarem do desenvolvimento tecnológico”, defendeu Thiago Lucena. Ele ainda sugeriu a inclusão da disciplina de Programação na grade curricular do município e a criação de parcerias entre o Poder Público, a iniciativa privada e os centros federais de Tecnologia e universidades.

Em aparte, o vereador Rinaldo Maranhão (Solidariedade) corroborou com as palavras de Thiago Lucena e ressaltou a necessidade da inclusão da disciplina Lógica de Programação no currículo do Município. “Existem pesquisas que colocam que nos próximos quatro anos serão geradas 200 mil vagas, por ano, no mercado de TI, no Brasil e nós formamos apenas 55 mil por ano. Há um déficit enorme e a gente precisa se contrapor a isso, principalmente com política pública como essa. Precisamos de emprego de qualidade. Abri uma vaga na minha empresa para programador, há dois meses, e só apareceram dois currículos desatualizados. Não temos mão de obra qualificada e o Município, o Estado e o Governo precisam dar as mãos para que possamos aproveitar essa onda tecnológica e gerar riqueza, emprego e renda para nossos jovens”, destacou.

Já a vereadora Rebeca Sodré (União Brasil) ressaltou que o empreendedorismo salva vidas e que através da capacitação dos jovens possibilita-se que eles possam participar do mercado como mão de obra qualificada. “Projetos como esse engrandecem a nossa cidade. Conte conosco para fortalecer sua luta em prol do empreendedorismo de nossa cidade”, declarou.

(Visited 1 times, 1 visits today)